Leituras: História de um Canalha

Ultimamente parece que não há tempo para nada, ou que o tempo não me chega para tudo o que quero fazer. Nomeadamente ler. Tenho uma pilha de livros por ler que não pára de aumentar - não consigo deixar de comprar um livrito sempre que entro numa livraria... e entro muitas vezes - e não…Read more Leituras: História de um Canalha

Hoje

hoje foi daqueles dias em que não podia deixar de cá vir. sabem aquelas ocasiões em que dizemos: " hoje tenho tenho de dar uma saltada a casa de fulano, é que ele faz anos, até parece mal se não apareço lá".... mais ou menos isso.

por caminhos da India

as cores não podiam ser mais vivas, e se resolvermos comer qualquer coisa como um vada pav (diz-se váda páo e é uma sandes vegetariana com um croquete de puré de batata extremamente picante), o picante é tal que sai fumo pelas orelhas!

os dias maiores…

aliás por mim podíamos passar o ano todo em hora de verão. estas mudanças continuas de 'hora' não podem ser lá muito boas para o nosso biorritmo

…ainda a propósito de chá

e já nem quero falar de quanto cai o fio do saquinho para dentro do chá, ou quando se parte o fio e andamos a pescar o saquinho ou ainda (terror) quando o saquinho rebenta... tudo isto no escritório, com a caneca cheia de água a ferver e nada à mão a não ser uma colher e toalhas de papel. assim, nem o MacGyver.

Os Gatos

Ary dos Santos deixou obra poética e de intervenção e por vezes delicada, em tom de história infantil. O poema Os Gatos faz lembrar o clássico a Dama e o Vagabundo. Faz hoje 33 anos que o poeta morreu.

os dias e as amêndoas

hora de almoço, toca a sair que o tempo é pouco e os recados são muitos e ainda há que comer, regressar, muito frio

Cairo II

Cairo II... Portanto quando o despertador tocou, duas horas e tal depois, o meu cérebro não percebeu bem o que se estava a passar e só acordou realmente quando ouvi o alarme tocar, o alarme da segurança do aeroporto, estás a ver? porque fiz (...)